sexta-feira, 29 de junho de 2018

Viúva de Sargento PM Cearense há seis meses não recebe pensão por morte


VÍDEO

A viúva do sargento PM Marcos Cunha assassinado em Itaitinga-Ceará  quando trabalhava como segurança para complementar sua renda mensal desde a sua morte enfrenta dificuldades burocráticas para receber a respectiva pensão.  Esta situação precisa ser mudada como forma de respeito a estes heróis que vão diarimente as rua para manterem  ordem.

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Chacina deixa quatro mortos em Quixeramobim Ceará




Na noite desta quinta-feira, 28, por volta das 20h00min, ocorreu uma chacina na Rua Francisco Ulisses de Bezerra, Bairro Conjunto Esperança, em Quixeramobim/CE.

Segundo informações repassadas ao criminosos ainda não identificamos chegaram e adentraram uma das barracas e efetuaram vários disparos de arma de fogo, três mulheres foram executadas dentro de um banheiro e um rapaz foi assassinado em um quarto do barroco. A Policia Militar e equipe do BP RAIO, se encontram no local fazendo os primeiros procedimentos.

A Polícia Militar está resguardando os corpos a espera da Perícia Forense para remover até o Instituto Médico legal, várias cápsula de pistola foram encontradas próximo aos corpos das vítimas.

Equipes do BPRraio realizam diligências em toda área à procura dos autores do crime, há uma vítima que foi alvejada em uma das penas e socorrida logo em seguida ao hospital mais não corre risco de morte.

As vítimas ainda não foram identificadas, a polícia aguada a chegada da Perícia Forense para remover até o Instituto Médico legal.


Quatro pessoas são executadas durante chacina no bairro Conjunto Esperança em QuixeramobimHomem é preso em flagrante em Ibicuitinga em posse de motocicleta roubadaHomem é preso em flagrante em posse de veículo roubado em Quixeramobim e com vários materiais em poder do acusadoPROERD, realizou hoje (28), a solenidade de formação de mais um turma do programa.



quarta-feira, 27 de junho de 2018

Fortaleza: Pistoleiro "Junior Palhaço " é preso por policiais da Draco


Um homem foi preso, suspeito de chefiar uma facção criminosa, no bairro Couto Fernandes, em Fortaleza, na última quinta-feira (21). Com ele foram apreendidas 260 munições de fuzil, uma pistola 380, drogas e quatro relógios de luxo.

De acordo com a Polícia Civil, Henrique Soares Silva, de 26 anos, o 'Júnior Palhaço' ou 'Jogador', responde a 12 procedimentos pelo crime de homicídio, todos cometidos no Ceará. Contra o suspeito, também havia quatro mandados de prisão preventiva em aberto pelos crimes de roubo e posse irregular de arma de fogo.

Em um cerco policial montado para capturá-lo, Henrique Silva tentou fugir, iniciando, uma perseguição policial. Após o suspeito ser preso, a equipe da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) se dirigiu à residência do homem, onde foram encontrados 261 munições de calibres de fuzil 5.56; 21 munições de calibres de fuzil 7.62; um carregador de fuzil 5.56; uma pistola 380; 390g de crack; 190g de maconha; além de dois cadernos com anotações do tráfico e quatro relógios de marca de luxo.

Ao prestar depoimento, Henrique Silva confessou ter matado entre 17 a 20 pessoas, intitulando-se \"conselheiro de guerra\" do grupo criminoso que integra. Ele foi autuado em flagrante pelos crimes de tráfico de drogas, posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito e por integrar uma facção criminosa. A delegacia especializada mantém as investigações, no intuito de identificar outros delitos praticados por ele.


domingo, 24 de junho de 2018

Casal é executado à bala na Aerolandia em Fortaleza


Um casal foi executado na noite deste sábado 23/06, na rua Tenente Wilson no bairro Aerolandia em Fortaleza. De acordo com informações, dois homens armados chegaram e fuzilaram o casal dentro de um carro onde também havia  uma criança, mais não foi atingida pelos disparos. À Polícia foi acionada para o local, para colher informaçõe sobre o crime. Ainda não se sabe quem os executaram e nem à motivação.
A apuração inicial é que o corpo seria de João Alves de Sousa, de 33 anos, morto na madrugada da última sexta-feira (22). A cabeça do homem foi encontrada no mesmo bairro onde populares se depararam com um corpo.

sábado, 23 de junho de 2018

Você não soube me amar: Polícia, intelectuais e ideologia


Cresci aprendendo que polícia é uma coisa ruim. No meu círculo social ninguém era policial. Polícia era para ser temida; delegacias eram lugares tenebrosos. O nome “camburão” inspirava imagens de regime militar e autoritarismo.

Na escola nunca me explicaram a função da polícia, como ela se organizava ou que benefícios ela gerava. Em absolutamente todos os livros, filmes, gibis, programas de televisão, peças de teatro e músicas que eu consumia polícia significava opressão, violação de direitos, extorsão ou tortura.

Nos mitos e lendas urbanas da minha adolescência, nos anos 70, os heróis eram foras-da-lei, marginais ou “guerrilheiros”, santificados por uma suposta rebeldia contra o “sistema”. E o sistema era, principalmente, a polícia. Era bonito enganar “os hômi”. Era bonito ser bandido. Uma das obras de Hélio Oiticica mostrava o bandido Cara-de-Cavalo, famoso nos anos 60, estendido no chão. Título da obra: “Seja Marginal, Seja Herói”.

Não me esqueço quando o pai de uma antiga namorada me contou, com orgulho, como tinha resolvido o problema de um sobrinho bêbado, que tinha causado um acidente envolvendo vários carros. “Conversei com o delegado”, dizia ele, sem deixar dúvidas sobre que tipo de conversa tinha sido aquela.

No final da minha adolescência Brizola chegou ao governo do Rio, e a mídia formou um bloco sólido dedicado a denunciar, sem tréguas, a violência e a corrupção da polícia. Os relatos de pessoas mortas por policiais, presas sem razão ou torturadas enchiam os jornais. Nossos heróis eram os que enfrentavam, desmascaravam e derrotavam a polícia: os militantes de esquerda, os sociólogos, os jornalistas, os donos de ONGs e a Anistia Internacional.

Nunca, jamais, em tempo algum, da minha infância até os meus 27 anos, eu vi alguém defendendo ou elogiando a polícia. Nunca ouvi alguém explicando que a polícia era necessária e que, na maior parte dos casos, cada sociedade tem a polícia que deseja. Tive que mudar de país para ver isso.

Fui morar nos EUA e descobri que a polícia é um dos fundamentos de uma sociedade livre. Nenhuma polícia – nem as dos Estados Unidos – é formada por santos. Basta lembrar da história de Serpico (1), ou entender como as delegacias americanas na virada do século XIX para o XX eram centros de corrupção e uso político da força (2). Corrupção e abuso existem em todas as instituições. A polícia reflete a sociedade que a criou.

Nos EUA o policial mora ao seu lado. No Brasil, em geral, ele mora em um subúrbio longínquo, ou em uma “comunidade carente” (eufemismo para favela), ao lado de criminosos. Os policiais do Rio de Janeiro escondem a identidade funcional fora de serviço, temendo a morte certa se abordados por bandidos.

A transformação da polícia dos EUA em força em defesa da cidadania começou quando os salários se tornaram decentes. No Brasil, a vasta maioria dos policiais tem um segundo emprego – o “bico” – sem o qual é impossível se sustentar.

Voltei para o Brasil entendendo para que serve a polícia, e cheio de perguntas. A policia nos EUA é essencialmente municipal. Por que no Brasil é apenas estadual e federal ? A lei penal dos EUA também é estadual. Por que no Brasil é federal ? O trabalho policial no Brasil é dividido entre duas forças. Uma patrulha as ruas – a Polícia Militar – e a outra investiga os crimes – a Polícia Civil. Por que ? Nunca me explicaram isso, na escola, na faculdade ou em outro lugar qualquer.

Tive que estudar para entender como funciona – ou não funciona – nossa polícia, a justiça criminal e o sistema penitenciário. O que vi me deixou horrorizado. Não vou repetir aqui as estatísticas que todos já deveriam conhecer (3). O que eu quero saber é: porque a sociedade brasileira tem ojeriza aos policiais, se eles são nossa última defesa contra a barbárie ?

Todos viram na TV as decapitações e os churrascos humanos das rebeliões dos presídios. Essa turma faz isso preso; imagine o que não farão soltos nas ruas. Quem vai enfrentar esse tipo de gente ?

Vocês viram os saques do Espírito Santo ? O mesmo aconteceu nos EUA, depois do furacão Katrina. É da natureza humana. Quem vai às ruas, arriscar sua vida, para controlar uma situação como essa ?

Como podemos ter, um dia, uma polícia decente, se a opinião unânime da mídia, da academia e dos intelectuais é que polícia é uma coisa ruim e os criminosos são pobres vítimas da sociedade ?

Por que tanta gente sensata e preparada se mobiliza com o “drama” dos criminosos presos, mas é insensível ao drama de uma sociedade onde todos já foram assaltados e vivem com medo ? Por que achamos que alguém ser assaltado, agredido, roubado de sua propriedade ou até morto, é justo e compreensível à luz da “justiça social” ?

Que perversão moral e intelectual é essa ?

Todos odeiam a Polícia Militar. Mas todos querem um PM por perto. O efetivo do Rio de Janeiro é de aproximadamente 50 mil policiais, mas apenas uma pequena parte está nas ruas combatendo o crime porque há os inúmeros policiais realizando serviços administrativos, tocando na banda da PM, cedidos à Secretaria de Segurança, aos tribunais, ao Ministério Público, aos palácios e aos Municípios.

Todos odeiam a PM, mas todo mundo quer um PM para chamar de seu.

Não escrevo um tratado de sociologia de botequim. Esse campo já foi ocupado por “especialistas” como D. Julita “Acaju” Lemgruber, Inácio Entrei-Pelo-Cano e toda a turma do Fórum Nacional Esquerdista de Segurança Pública. A única questão que pretendo colocar é essa: se a polícia é um dos fundamentos de uma sociedade civilizada, por que a desprezamos tanto?

Se tratamos a polícia como lixo, quem vai nos proteger ?

Há muitos anos os Titãs, uma das melhores bandas de rock, compôs a música Polícia, cujo refrão era “polícia para quem precisa, polícia para quem precisa de polícia”. Alguns anos depois a namorada do baterista Charles Galvin, foi sequestrada e levada para um cativeiro na favela do Vidigal.

Adivinhe quem a libertou do cativeiro ?

Não foi o Batman.

Não foi o Che Guevara.

Não foi a Julita Lemgruber.

Ela foi libertada por agentes da divisão Antissequestro.

Ela foi libertada – imaginem vocês – pela polícia.

A única garantia da liberdade e da vida é a força das armas nas mãos das pessoas corretas.

O resto é veneno ideológico de quem ganha vida explorando a ignorância e a compaixão dos inocentes.

Roberto Motta
Empreendedor, professor, engenheiro, mestre em gestão, escritor e pai. Ativista político e defensor da liberdade do indivíduo contra todas as tiranias.

Cabeça humana é encontrada no bairro Ancuri em Messejana



Informações chegadas ao blog são de que uma cabeça humana teria sido encontrada no bairro Ancuri na grande Messejana em Fortaleza fato ocorrido ontem a noite  próximo ao centro educativo de menores Patativa do Assaré, segundo populares dois elementos em uma motocicleta teriam jogado referido membro e em seguida tomaram rumo ignorado.  Patrulhas da PM estiveram no local fazendo o isolamento.


Regime de plantão de Agentes penitenciários do Ceará será 24X72




A Assembleia Legislativa aprovou, ontem, Mensagem enviada pelo governo cearense, que altera o regime de plantão dos agentes penitenciários do Estado de 12 x 36 horas, para 24 x 72 horas. Opositores elogiaram a proposta que, segundo eles, vai dar mais flexibilidade ao serviço de profissionais, principalmente, aqueles de outros estados, que necessitam retornar para as suas residências. Governistas, por outro lado, fizeram questão de enfatizar os investimentos da gestão Camilo Santana em segurança pública e em melhorias para as forças policiais. Outros 13 projetos de autoria dos parlamentares também foram aprovados.
De acordo com a proposta do Executivo Estadual, a escala atual dos agentes penitenciários “nunca” foi de fato implementada por “inviabilidade prática e financeira”, dado o cenário conflituoso existente, resultando, no caso de sua aplicação, prejuízo econômico e o engessamento da finalidade do Estado para com a sociedade. O Governo frisa que o novo regime de plantão dos profissionais se dá em razão do princípio da eficiência no sistema penitenciário e também em razão da própria natureza das atividades executadas pelos agentes.
O deputado Capitão Wagner (PROS) elogiou a iniciativa, apesar de ser um dos mais críticos da gestão estadual, pois, segundo ele, a mudança vai permitir o deslocamento de agentes de outros estados, que trabalham no Ceará.

FONTE: BLOG DO EDSON SILVA

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Presidiário é executado e em seguida degolado em penitenciária de Juazeiro do Norte Ce


Antonio Alex Macedo Pinheiro foi brutalmente assassinado (foto: Diário do Nordeste)
Um dos pistoleiros bastante atuante na cidade de Quixadá, que ficou conhecido na seara policial como possível “serial killer” foi brutalmente assassinado na Penitenciária Industrial e Regional do Cariri (PIRC),  na cidade de Juazeiro do Norte, onde cumpria pena.
Conforme as informações do site Miséria, Antonio Alex Macedo Pinheiro, de 24 anos, foi decapitado numa das vivências do presídio durante princípio de motim na madrugada desta quinta-feira(21).  Contra ele, existiam três homicídios.
O corpo foi recolhido pelo rabecão e já está na Pericia Forense de Juazeiro para ser necropsiado. Supostamente, o jovem foi morto com a utilização de “cossocos”, que são armas brancas artesanais.
Um dos homicídios atribuídos à Alex em Quixadá, aconteceu no dia 6 de outubro de 2012 tendo como vítima o servente de pedreiro Antonio Cesário da Silva Filho, de 31 anos, morto com quatro tiros três dos quais na cabeça. O crime se deu na Rua do Corredor, no bairro do Triângulo.
Alex foi preso depois, sendo o outro acusado o seu irmão apelidado por “Veim” que teria garantido a fuga do criminoso. O motivo do crime seria uma relação de Antonio Cesário com a ex-companheira do acusado, sendo que ele e seu irmão já tinham quebrado a moto da vítima no dia anterior. Segundo testemunhas, Alex foi visitar sua ex-mulher e encontrou Cesário na residência da mesma.
Já na noite do dia 13 de janeiro de 2014, ele e outro comparsa tentaram matar o ex-presidiário Francisco Gerlano Bento de Sousa, de 33 anos, na Rua Padre Cícero, do bairro Campo Velho, em Quixadá. A vítima pedalava sua bicicleta, após sair da casa de um amigo, quando foi abordado por dois homens à pé e armados com uma pistola calibre 380 e Alex atirou atingindo Gerlano duas vezes no nariz e na axila, mas escapou no Hospital Eudásio Barroso. Muito ousado, ainda foi até o hospital completar o “serviço”. Todavia fugiu ao notar a presença da polícia, mas acabou capturado.
O pistoleiro foi transferido para a Penitenciária Industrial e Regional do Cariri (PIRC), no de 2014.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Solidariedade: Sargento da PM Cearense precisa de uma cadeira de rodas


O sargento da Polícia Militar do Ceará de nome Expedito residente na cidade de Sobral necessita ajuda para compra de uma cadeira de rodas tendo em vista que mesmo se acidentou e não dispõe de recursos suficientes para aquisição de mencionado objeto.

VEJAM TEXTO ABAIXO QUE CIRCULA NAS REDES SOCIAIS

*🤝🏻Estou pedindo a todos uma ajuda para comprar uma cadeira de rodas para o Sgt Expedito, o mesmo é paraplégico e não tem condições de compra-la. Caixa Econômica Federal, agência 0554 - operação 001 - conta corrente - 00026667-2 - contato (88)98825.6239


sábado, 16 de junho de 2018

Mãe é assassinada enquanto amamentava filho em Horizonte Ceará



Mãe é morta enquanto amamentava a filha de 11 meses em Horizonte

Thallyta Mendes de Lima, de apenas 18 anos, foi morta enquanto amamentava sua filha de 11 meses, no município de Horizonte, na casa onde residia com a mãe e uma irmã. O crime aconteceu às 6h30 da manhã de sexta-feira (15).

Ela estava sentada do lado de fora da residência com a criança quando vários homens a abordaram. Thallyta ainda conseguiu correr para dentro de casa, deixou a filha na sala, e foi para o meio da rua, onde levou mais tiros.

De acordo com a família, ela não era usuária de drogas e não tinha envolvimento com nenhuma atividade ilícita.

Maria de Fátima, mãe de Thallyta, disse que ouviu cerca de cinco tiros e, quando saiu de casa, viu a filha estendida na rua. Ela ainda relatou que a jovem não costumava sair de casa, ia apenas para a igreja.

Thallyta era mãe solteira.```

Fonte: Diário do Nordeste

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Ceará: O risco de sumir nas mãos do crime

FOTO ILUSTRATIVA 

As periferias de Fortaleza e da Região Metropolitana viraram lugares de desaparecer pessoas. Sumir se tornou parte do cotidiano. O fenômeno, não percebido no lado mais assistido da cidade, ganhou contornos de terror na zona empobrecida. Foi depois que as facções criminosas passaram a se inscrever como poder na disputa dos territórios pelo tráfico de drogas no Ceará, notadamente a partir de 2015. Por medo de represália ou envolvimento direto com o crime, as histórias dificilmente são narradas em boletins de ocorrência ou chegam aos organismos públicos que lidam com vítimas da violência urbana no Estado.

A vida de quem mora nesses cantos “sombreados” pelo medo passou a ser um inferno. Principalmente para os cidadãos, mas também para os criminosos. O POVO conta, a partir de hoje, narrativas sobre desaparecidos e o tormento de ter de conviver com a possibilidade de sumir nas mãos das facções de traficantes.

Sexta-feira, 13 de dezembro de 2017, 18h17min. Na sede da Delegacia de Polícia Metropolitana de Caucaia, um pai, de 37 anos, relata que a filha, Vitória Rayane Ferreira, está sob ameaça de uma facção. É que a garota, de apenas 13 anos, havia testemunhado o assassinato da amiga Antônia Monalisa Fernandes, 14 anos. A garota também está na delegacia.

Para uma delegada e uma escrivã, o pai de Rayane conta que a filha, após se encontrar com a amiga Monalisa, teria ido para uma festa em uma praia do litoral de Caucaia (Região Metropolitana de Fortaleza). Saiu, segundo o pai, sem seu consentimento. Apesar dos 13 anos, ele diz, a filha “tinha o costume de sair sem dizer para onde ia”. E sempre foi “uma peleja” para que informasse o destino e de quem se acompanhava.

Naquela sexta de dezembro a história mudaria de enredo. Segundo depoimento do pai, um dia depois de ganhar o mundo, Rayane “voltou assustada para casa”. Era madrugada do sábado, por volta das 5 horas. “Pai, me bota eu pra dentro que mataram a Monalisa agora. Se não, vão me matar também”, reproduziu o pai na delegacia.

Rayane, de acordo com depoimento, afirnou que pelo menos nove pessoas, entre elas mulheres, participaram da execução de Monalisa. A garota foi assassinada e o corpo ocultado “por causa de facção”.

Mas a causa não é clara no inquérito. Entre os matadores estariam um homem conhecido por “Mateus e outro por GTA”.

Na delegacia, a adolescente, ouvida em termo de declaração e numa conversa confusa, afirma que Monalisa depois de ser executada foi levada para ser enterrada “pro lado do Bom Jesus”, uma bairro de Caucaia. E que “vocês (os policiais) não vão encontrar o corpo dela inteiro, não”, disse.

Sem proteção do Estado na condição de testemunha, adolescente e moradora de uma comunidade tomada pelo ódio entre facções, Rayane foi assassinada no dia 28/12/2017. Semanas depois de ter ido à delegacia. O pai da menina e outros familiares, segundo o escrivão Josenildo Menezes, 54, tiveram de ir embora do Ceará.

Os restos mortais de Monalisa só foram encontrados este ano, no dia 12/4, durante a Operação Soure – protagonizada pela Delegacia Metropolitana de Caucaia. A garota foi esquartejada e parte do corpo ocultado em um terreno próximo ao prédio da Justiça, em Caucaia. Os policiais chegaram ao local depois da prisão e confissão de Francisco Fábio, 20. Um dos autores das barbáries.

O caso das adolescentes Rayane e Monalisa, de acordo com o Josenildo Menezes, é uma das pontas de uma teia criminosa que revelou a relação entre pelo menos 26 execuções. Muitos dos assassinatos precedidos pelo desaparecimento das pessoas, no caso seis. Vítimas que tinham ou não envolvimento na disputa entre as facções Comando Vermelho (CV) e Guardião do Estado (GDE) pelo território do tráfico, principalmente, nas comunidades de Itambé I e II, na periferia de Caucaia.

Homicídios

522 crianças/adolescentes foram mortos no Ceará em 2017

48 foram assassinadas, no ano passado, em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza

15 foram executadas primeiro trimestre de 2018 em Caucaia

SEM B.O.

Em 2015, com fim do pacto de “paz” entre as facções no Ceará, pessoas começaram a desaparecer nas comunidades. Rivais passaram a sequestrar inimigos e sumir com os corpos. No meio do terror, cidadãos também somem por cisma dos faccionados; desconfiança de de deduragem à polícia ou quebra de regra imposta na favela. O medo impede o registro dos desaparecimentos em boletins de ocorrência.

FONTE: O POVO


terça-feira, 5 de junho de 2018

Deputado Federal Cabo Sabino sai em defesa de Pms vítimas de assédio moral







Em seu pronunciamento hoje no plenário da Câmara Federal o Deputado Cabo Sabino denunciou o assédio moral sofrido por três PMs da CPcães Companhia de policiamento com cães PMCE. Segundo o parlamentar o fato teria ocorrido simplesmente porque os policiais fizeram um lanche convidando o comandante geral da instituição para comemorar o aniversário do mesmo o que teria deixado o oficial comandante da unidade militar CPcães irritado ocasião em convocou os PMs para esclarecimentos em seu gabinete ocorrendo então o lamentável fato onde os três militares fora tratados de forma descortês. Finalizando o Deputado disse que estava totalmente em apoio aos PMs constrangidos.




VEJA VÍDEO: ⬇️




391 pessoas foram assassinadas no Ceará durante o mês de maio

Violência armada no Ceará deixou 391 pessoas assassinadas no mês de maio

Guerra travada entre facções aliada ao aumento dos casos de latrocínios e linchamentos elevaram as estatísticas da violência no Estado


A estilista, modelo e desportista Nayana Araújo foi uma das 391 pessoas mortas no Ceará em maio

Ao menos, 391 pessoas foram mortas no Ceará em maio deste ano. O balanço – que ainda é parcial e não oficial – aponta que em 31 dias do mês passado, o Estado registrou 370 Crimes Violentos, letais e Intencionais (homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte), além dois assassinatos dentro de unidades do Sistema Penitenciários (cadeias e presídios) e mais 19 pessoas suspeitas que morreram em confrontos armados com a Polícia, totalizando, portanto, 391 mortos.


Somente em Fortaleza, 119 pessoas foram mortas em maio, sendo 115 em CVLIs e outras quatro em confronto com a Polícia. Na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), foram mais 105 mortes violentas, além de 99 no Interior Norte e 68 no Interior Sul.


Entre as vítimas dos 391 crimes de morte em maio passado no Ceará figuraram 39 adolescentes. Dezessete foram assassinados nas ruas da Capital, outros 13 em Municípios da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), além de cinco no Interior Norte e quatro no Interior Sul.


Também estão na lista das pessoas assassinadas em maio de 2018 no Ceará,  35 mulheres. Desse total, 17 foram mortas em Fortaleza, 10 no interior e mais oito na Região Metropolitana. Entre as vítimas estão adolescentes e idosas, mas a maioria das mulheres mortas era jovem.


Policial e guarda  assassinados


Também entre as vítimas da violência armada em maio passado estão dois agentes da Segurança Pública, um policial militar e um guarda municipal. O PM morto era Francisco Bonivarde Castelo Branco, de 28 anos, que foi morto, a tiros, na Praia do Futuro, na noite do dia 1º de maio. O autor do crime foi um policial civil (inspetor).


Já na tarde do dia 14 de maio, o guarda municipal Luiz de França Duarte Filho, 30 anos, pertencente à Guarda do Município de São Gonçalo do Amarante, foi morto a tiros na porta de casa, na Rua Santa Cecília, bairro Itambé, em Caucaia.  Os autores do crime são ainda desconhecidos e teriam ido ao local em busca de matar um irmão do agente.


Cidadãos mortos em assaltos


Onze pessoas foram mortas em crimes de latrocínio (roubo seguido de morte) em maio no estado. Foram cinco assassinatos do gênero em Fortaleza, outros cinco no interior e mais um na RMF. Entre as vítimas de assaltos que terminaram na morte das vítimas figuraram duas mulheres. A estilista, modelo e tatuadora Nayana Mara da Costa Araújo, 32 anos, foi morta por assaltantes na tarde do dia 14 de maio ao sair de seu local de trabalho – um ateliê de roupas – na Rua Roque Pinto, em Parangaba, na zona Sul de Fortaleza.


Já na manhã do dia 25, a vítima foi a economista Lílian Mara de Oliveira Mesquita, 36 anos, funcionária de uma indústria farmacêutica. Ela doi assaltada, baleada e morta na porta de casa, na Avenida Francisco Sá, no bairro Carlito Pamplona, na zona Oeste da Capital.


No mesmo dia (25 de maio), durante a madrugada, o vigilante Francisco Mendes David, 51 anos, também foi morto durante um assalto. O crime ocorreu na Rua Godofredo Oliveira, no Mondubim (zona Sul).


No interior do estado, foram mortas durante assaltos (latrocínios) as seguintes pessoas:  Manuel Gomes de Araújo, 60 anos, aposentado (no dia 6, em Ibiapina); Elias Lima da Silva, 58 anos, comerciante (no dia 10, em Ubajara);  João Muniz Leitão, 39 anos, comerciante (no dia 16, em Varjota); Maria Ismaelle  Moreira dos Santos, 18 anos, estudante (no dia 25, em Pentecoste); e Jeferson Aquino de Paiva, 25 anos, filho do dono de uma churrascaria (no dia 28, em Sobral).


Linchados


Ainda em maio, as autoridades registraram três assassinatos em Fortaleza por meio de linchamento. No dia 12, um desconhecido foi espancado até a morte por populares na Rua Alexandrina, no bairro Antônio Bezerra.


Na noite do dia 14, a vítima fatal de linchamento foi Diego Saraiva da Silva, 22, perseguido e morto a pauladas, pedras e socos na Rua Eduardo Porto, em Messejana.


E o terceiro caso ocorreu no dia 16, por volta de 17h22, quando Noyat de Menezes Borges, 22 anos, foi linchado, baleado e morto dentro de uma loja de rações na Rua Augusto Sá, no bairro Parque Havaí, no Eusébio (Região Metropolitana de Fortaleza).


Mulheres mortas no Ceará em maio/2018


01 – (03/5) – Leiciliele de Kássia do Nascimento Alves (faca) – Estrada do Garrote (CAUCAIA)


02 – (03/5) – Camila Paulino Barbosa  (bala) – Sítio Ilha (TRAIRI)


03 – (03/5) – Angélica Maria Viana da Silva (bala) – (CARIÚS)


04 – (04/5) – Daiane Vitória Alves Araújo (bala) – Rua Carnaubal/Jardim Iracema (CAPITAL)


05 – (07/5) – Vitória Régia Maia (bala) – Rua Sousa Pinto/Alto da Balança (CAPITAL)


06 – (07/5) – Jaimara Araújo Miranda (bala) – Rua Manoel Antônio Leite/Bonsucesso (CAPITAL)


07 – (08/5) – Maria Cláudia Santana da Silva  (bala) – R. Gel. Cordeiro Neto/B. Mondubim (CAPITAL)


08 – (09/5) – Vítima não identificada (outros) – Bairro Lagoa Seca (JUAZEIRO DO NORTE)


09 – (11/5) – Maria Rosane da Silva (decapitada) – Estrada Velha do Garrote (CAUCAIA)


10 – (13/5) – Vítima não identificada (bala) – Conjunto São Cristóvão (CAPITAL)


11 – (13/5) – Antônia Ivone Xavier Pereira (facadas) – Vila Marruás (TAUÁ)


12 – (14/5) – Nayara Mara Costa Araújo (bala) – Rua Roquete Pinto/Parangaba (CAPITAL)


13 – (14/5) – Amanda Jhéssica de Menezes Costa (bala) –  (Fortaleza/AIS-10) – (CAPITAL)


14 – (15/5) – Maria Edilane  Lima Vieira (bala) – Bairro Itaperi (CAPITAL)


15 – (15/5) – Vítima não identificada (bala) – B. Lagoa Redonda (CAPITAL)


16 – (15/5) – Sara Lídia Sousa Ferreira (bala) – R. Ouro Preto/B. Parque Potira (CAUCAIA)


17 – (19/5) – Ivone dos Santos Silva (bala) – B. Mucunã (MARACANAÚ)


18 – (20/5) – Emanuele  Ferreira de Oliveira (bala) – R. João Moreira/Amanari (MARANGUAPE)


19 – (20/5) – Maria Zuíla Pereira (crime sexual) – Rua 2/Bom Jardim (CAPITAL)


20 – (20/5) – Adriana Freire da Silva (carbonizada) – Sítio Potós (SÃO BENEDITO)


21 – (22/5) – Francisca das Chagas Rocha Anastácio (bala) – Com. Dendê/Edson Queiroz (CAPITAL)


22 – (22/5) – Maria Deysiele de Sousa Lima (bala) – Bairro Buriti (PACAJUS)


23 – (23/5) – Antônia Juliethe Oliveira (bala) – Sítio Campo Redondo (VIÇOSA DO CEARÁ)


24 – (25/5) – Lílian Mara de Oliveira Mesquita (bala) – Av. Francisco Sá/B. Carlito Pamplona (CAPITAL)


25 – (25/5) – Maria Ismaele Moreira dos Santos (outros) – Loc. Serrota (PENTECOSTE)


26 – (26/5) – Cristiane Lima Mendonça (bala) – R. Tenente Albano/B. Aerolândia (CAPITAL)


27 – (26/5) – Elizângela Almeida da Silva (bala) – Loc. Sítio Coqueiro (CASCAVEL)


28 – (27/6) – Andréia Pereira Carneiro (bala) – Av. Leste-Oeste/B. Barra do Ceará (CAPITAL)


29 – (28/5) – Maria Cláudia da Silva (bala) – B. Monte Alegre (QUIXADÁ)


30 – (28/5) – Vítima não identificada (faca) – B. Sapiranga (CAPITAL)


31 – (28/5) – Vítima não identificada (bala) – Bairro Tijuca (MARACANAÚ)


32 – (30/5) – Identificada apenas por Jaqueline (achado de cadáver) – (IGUATU)


33 – (30/5) – Ana Vitória de Sousa (bala) – Bairro Conjunto Santo Antônio (SOBRAL)


34 – (31/5) – Vítima não identificada (bala) – Rua dos Monarcas/Bairro Pici (CAPITAL)


35 – (31/5) – Lívia Taynara de Sousa (bala) – Bairro Autran Nunes (CAPITAL)


FONTE: BLOG DO FERNANDO RIBEIRO

Presidente da associação das esposas de PMs do Ceará repudia ato de comandante da Cia de pol com cães


A presidente da Associação de Esposas de policiais militares do Ceará Nina Carvalho lamentou o episódio envolvendo o comandante da (Cpcães) Companhia de policiamento com cães e três policiais lotados em referida unidade militar.  Segundo informações os PMs foram chamados por referido oficial e no interior do gabinete do comando teria tratado os PMs de maneira descortês. Veja vídeo acima.

Serial killers' mataram 4 pessoas em 'ritual satânico' para ganhar na Mega-Sena, diz delegado




A Polícia Civil concluiu que as quatro pessoas achadas mortas na zona rural de Iguatu, no interior do Ceará, foram vítimas de "serial killers psicopatas" que fizeram "ritual satânico" para que eles obtivessem os números para ganhar o prêmio da Mega-Sena. Um dos suspeitos desejava também ter "poderes divinos", mulheres e "poder para desafiar qualquer um", afirmou o delegado da Polícia Civil Marcos Sandro Lira, nesta segunda-feira (4), ao divulgar sobre a conclusão das investigações. 


As vítimas eram quatro pessoas que estavam desaparecidas desde o ano passado. "Eles escolhiam aleatoriamente. Eram serial killers psicopatas que se fingiam de religiosos para se infiltrar na sociedade. Eles escolhiam pessoas frágeis psicológica e emocionalmente, mas se [a vítima] fosse alguém que tinha alguma rixa com eles, era um alvo preferencial", diz Sandro Lira. 

Dois suspeitos, Gleudson Dantas Barros e Roberto Alves da Silva, foram presos; um adolescente suspeito de participação nos crimes foi encontrado morto durante as investigações. Conforme a Polícia Civil, o jovem cometeu suicídio. 

Segundo o delegado, eles atraíam pessoas até o sítio Canto, no distrito de Suassurana, onde os "adeptos do satanismo" realizam rituais macabros.


Polícia identifica crianças que morreram durante incêndio em Itaitinga Ceará



A Polícia Civil e o Conselho Tutelar da cidade de Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) já identificou as três crianças que morreram carbonizadas na madrugada desta segunda-feira 04/06, durante um incêndio na residência onde a família morava. Os pais das crianças já  foram ouvidos em depoimento.

O incêndio aconteceu por volta de 2h50 em uma residência localizada na Rua 7 do bairro Barrocão, em Itaitinga. Segundo a Polícia, as três crianças que morreram queimadas no sinistro eram: Maria Eloá, de 2 anos; Antônio Juan, de 5 anos; e Maria estela, de 6 anos, irmãos.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o fogo teria ocorrido  no quarto onde as crianças dormiam e, rapidamente, as chamas se espalharam pelo imóvel. A Corporação informa que enviou três viaturas para o local (um autotanque, um resgate e um ambulância), mas não ouve tempo para salvar a vida dos três irmãos.

Em depoimento aos membros do Conselho Tutelar de Itaitinga, os pais das crianças disseram que tinham saído de casa, mas deixado as crianças sozinhas por “pouco tempo”. No entanto, as autoridades constataram muitas contradições nos depoimentos. Os tios que moram na mesma residência não estavam lá.

PCC cresce e já fatura mais de 400 milhões por ano





PCC usa doleiros e já fatura mais de R$400 milhões
Documentos apreendidos após a morte de líder mostram a expansão dos negócios da facção no Brasil e no mundo
Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo
03 Junho 2018 | 06h00
A morte do líder do Primeiro Comando da Capital (PCC) Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, desencadeou uma investigação que descobriu novos segredos da maior facção criminosa do País. Documentos encontrados pela polícia revelaram parte da estrutura montada pelos líderes do PCC para o tráfico internacional de drogas, a lista de seus integrantes em cada região de São Paulo, nos Estados e em cinco países da América do Sul - Colômbia, Paraguai, Bolívia, Peru e Guiana. A inteligência policial tem provas da evolução das rendas do grupo e sua ligação com o primeiro cartel de drogas chefiado por um brasileiro: Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho.
Os negócios particulares dos líderes e da própria facção têm um faturamento estimado pela inteligência policial em, no mínimo, R$ 400 milhões por ano. Alguns policiais acreditam que esse número pode chegar a cerca de R$ 800 milhões, o que colocaria o PCC entre as 500 maiores empresas do País. Seu tamanho dependeria da quantidade de drogas que o cartel liderado por Fuminho e os líderes do PCC conseguem exportar nos Portos de Santos, Itajaí, Rio e Fortaleza. Estimativas conservadoras fixam em 1 tonelada por mês, enquanto analistas policiais consideram que esse número corresponde apenas ao movimento de uma semana.
Entre as descobertas feitas pela inteligência policial estão remessas da facção para um doleiro da capital paulista. Em 9 de dezembro de 2017, um dos grupos responsáveis pelo tráfico internacional de drogas entregou R$ 1.464.118 ao doleiro. Em 16 de dezembro, foram enviados mais R$ 1.522.374 e no dia 21, R$ 1.105.651. Em duas semanas, a soma chega a mais de R$ 4 milhões. A contabilidade mostra que em uma única vez, em dezembro de 2017, o bando gastou R$ 2,5 mil para comprar malas para entregar o dinheiro.
As remessas continuaram em janeiro deste ano. Segundo as investigações, a facção entregava reais ao doleiro e recebia dólares, por meio do sistema dólar cabo, na Bolívia e no Paraguai, para pagar a produção das drogas - cocaína e maconha. O sistema de lavagem da facção inclui ainda a compra de postos de gasolina (200 deles estão nas mãos de laranjas que trabalham para um bandido conhecido como Flavinho).
Esta não foi a primeira vez que a polícia descobriu um esquema de lavagem de dinheiro da facção. Para o promotor de Justiça Lincoln Gakiya, o PCC ainda é uma organização de tipo pré-mafiosa, pois lhe falta conhecimento para fazer a lavagem de dinheiro. Essa seria a última barreira que separa o grupo das demais máfias pelo mundo. "Muitas das operações da facção são feitas em dinheiro vivo, guardado em lugares seguros", diz.
Em 2014, a polícia detectou um esquema que envolvia uma transportadora de cargas fantasma que movimentou R$ 100 milhões por meio de duas corretoras de valores, que enviavam o dinheiro do crime organizado para a China e para os Estados Unidos. As contas da transportadora eram movimentadas pela internet. Essa tarefa era executada por meio de sete IPs com base no Paraguai.

Mortos
Foi no apartamento de José Adinaldo Moura, o Nado, no Tatuapé, zona leste de São Paulo, que o Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc) encontrou os papéis. Nado era o braço direito de Wagner Ferreira da Silva, o Cabelo Duro. Os dois eram acusados de participar no Ceará do assassinato de Gegê do Mangue em fevereiro e acabaram mortos pela facção a mando da cúpula.
Nado morava em um apartamento de cobertura e teria sido executado um dia antes do assassinato de Cabelo Duro, em 22 de fevereiro. No dia 15 de maio, a polícia achou um corpo que seria de Nado. Ele estava enterrado de ponta-cabeça e amarrado em um terreno na região de Americanópolis, zona sul da capital.
Nado e Cabelo Duro trabalhariam para Fuminho, que era apontado como sócio do líder do PCC, Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola. Gegê do Mangue, que havia saído da cadeia em 2017, teria descoberto que eles usavam a logística montada pelo PCC para traficar drogas sem pagar à facção.
Gegê começou a cobrar um pedágio de Fuminho e usou o dinheiro para comprar imóveis no Ceará, em vez de entregá-lo para o caixa do grupo. Ao descobrirem o desvio, Gegê teve o destino selado. Fuminho mandou assassiná-lo. A cúpula reagiu e decidiu matar os envolvidos na execução. Só depois de Fuminho apresentar as provas de que Gegê estava roubando o grupo é que a cúpula decidiu perdoá-lo. Os pontos de varejo de drogas dominados por ele em São Paulo - região da Avenida Presidente Wilson e na Favela de Heliópolis -, que haviam sido tomados pela facção, foram devolvidos recentemente pelo PCC.
O sucesso de Fuminho no tráfico atraiu outros bandidos para a atividade. "Grupos de ladrões de carga, de carro-forte e de banco passaram a se juntar para investir no tráfico internacional de drogas", disse o delegado Ruy Ferraz Fontes, diretor do Denarc. Para conseguir grandes quantidades da droga e enviá-la para a Europa - os Estados Unidos são um mercado cativo dos cartéis mexicanos -, os bandidos aproveitam a logística do PCC. Os ladrões se unem em grupos e compram a cocaína para montar um carregamento e embarcá-la em contêiner. Esse movimento começou a tirar o espaço no Brasil da máfia nigeriana no tráfico.
Em 18 de abril, policiais civis que vigiavam o galpão no Guarujá surpreenderam uma dessas partidas. A droga chegou em picape S-10. Uma hora depois, o portão se abriu e saíram a picape, um Fiorino e um caminhão que transportaria um contêiner. Quando o grupo foi abordado pelos policiais, a escolta do caminhão reagiu a tiros de fuzil, ferindo um investigador. Sete acusados foram presos e 213 quilos de cocaína apreendidos - outros três bandidos fugiram, deixando para trás um fuzil e uma pistola calibre 45.

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Faltou investimento em informação e inteligência de Segurança pública no Ceará

Resultado de imagem para inteligencia policial


No exame da prestação de Contas de Governo do governador Camilo Santana, referente ao ano de 2017, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) constatou, através do relatório feito pelo conselheiro Ernesto Saboia, a “Ausência  de aplicação de recursos em informação e inteligência na função de Segurança Pública”.
Por conta dessa constatação, os conselheiros fizeram a seguinte recomendação:
“A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social que avalie a possibilidade de direcionar recursos para a subfunção Informação e Inteligência, com o objetivo de ajudar na escolha das ações governamentais, de modo a otimizar os recursos públicos aplicados, e assim possibilitar uma melhoria nas estatísticas na área da segurança pública no Estado do Ceará”.

As informações são do blog do EDSON SILVA