segunda-feira, 31 de março de 2014

Homens encapuzados invadem casa, espancam idoso e roubam R$ 22 mil, em Tejuçuoca

  

Um idoso de 89 anos de idade foi espancado depois de ter a casa invadida por assaltantes na cidade de Tejuçuoca. O crime ocorreu na Fazenda Carnaubinha na localidade de Açude.


De acordo com a Polícia, dois homens encapuzados invadiram a casa do aposentado, espancaram a vítima enquanto dormia e logo em seguida fugiram com a quantia de R$ 22,7 mil, que o idoso guardava em casa.


CEARÁ AGORA

ACSMCE participa de fórum Permanente de debates contra a violência

DSC_0182

Na tarde de hoje (31/03), a Associação de Cabos e Soldados Militares do Estado do Ceará (ACSMCE), representada pelo seu presidente Flávio Alves Sabino participou do Fórum Permanente de Debates e Propostas contra a Violência, organizado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Ceará. Esse fórum foi criado para reunir associações e sindicatos da segurança pública, sociedade civil organizada e a própria OAB para procurar soluções diante da criminalidade que assola o estado do Ceará.


O Presidente da ACSMCE Flávio Sabino lembrou da questão do interior do estado do Ceará, citando que a maioria dos destacamentos trabalham com apenas 3 homens, em uma escala escravizante de 96 horas semanais, também falou do problema de se atuar no interior do estado por falta de delegacias plantonista “Na região do Maciço de Baturité, por exemplo, não existe uma delegacia plantonista, ai quando o policial de Aratuba a 100 km de Fortaleza faz uma prisão em flagrante, ele tem que descer a serra até Maranguape, ai quando lá chega geralmente tem 5, 6 flagrantes na frente dele, já inclusive ocorreram caso de ele ter que fazer o flagrante no Pirambu e quando a viatura desce, o município que ela cobre fica sem ninguém”. Além disso, Sabino também falou da necessidade de melhor efetivo, melhoria salarial e mais cursos para preparar o policial e o bombeiro.


O Presidente da OAB-CE Valdetário Monteiro destacou que a OAB tem dificuldade em dialogar com o Governo do Estado na área de segurança pública, e declarou “Nós (do Fórum) temos que mostrar ao Estado que alguém tem que encarar o problema como política pública de Estado”.


No final o Fórum Permanente de Debates e Propostas contra a Violência decidiu convidar o secretário de Segurança Pública e Defesa Social do Estado, Servilho de Paiva para a próxima reunião do fórum que acontecerá no dia 07 de Abril.


Além de associações representativas de Policiais e Bombeiros Militares também participaram do evento, Sindicato dos Policiais Civis, o Presidente da Comissão de Segurança Pública da Câmara Municipal, Associação de Advogados do Ceará, entre outras que enriqueceram o debate proposto pela a OAB.






TJ bloqueia orçamento da PM e pede intervenção federal no MA



A desembargadora Maria das Graças de Castro Duarte Mendes proferiu decisão, na semana passada, determinando o cumprimento do Acórdão que obriga o Governo do Estado a repor perdas salariais de inativos e pensionistas da Polícia Militar. Na decisão, a desembargadora determina ainda o bloqueio dos orçamentos da PMMA e da Secretaria de Gestão e Previdência, até que seja efetivado o cumprimento integral do Acórdão, sendo que nenhum pagamento poderá ocorrer, salvo a folha de salários dos funcionários e pensionistas.



Sargento Frota e major Adelman encabeçam luta para repor perdas salariais dos PMs. (Foto: Francisco Silva)


No mesmo despacho, a desembargadora Maria das Graças, invocando o fundamento do Artigo 34, inciso VI da Constituição Federal, determina que “oficiem-se, com cópia integral dos autos, o Presidente do Supremo Tribunal Federal e o procurador-geral da República, a fim de que promovam a intervenção federal no Estado do Maranhão, tendo em vista o descumprimento reiterado do Acórdão”.


O processo em tramitação no Tribunal de Justiça está relacionado com a Petição nº 50.055/2013, nos autos do Mandado de Segurança nº13.980/2008, no qual a Associação dos Oficiais e a Associação dos Subtenentes e Sargentos da PMMA pedem a correção de seus proventos.


No processo que tramita no TJMA, o presidente da Associação dos Subtenentes e Sargentos, Sargento Frota, e o presidente da Associação dos Oficiais, Major Adelman, informam que, há vários anos, tentam fazer reconhecer o direito violado pelo Estado do Maranhão referente às diferenças salariais extintas pela Lei Estadual nº 8.591/2007.


Eles argumentam que, embora tenham ganho a causa na Justiça, o Estado do Maranhão nunca cumpriu a decisão do Poder Judiciário, alegando nulidade e instituindo uma espécie de verba que teria aglutinado as parcelas suprimidas pela combatida lei estadual.


O sargento Frota informou que foi no ano de 2008 que as duas entidades de militares, através de suas assessorias jurídicas, impetraram ação na Justiça com o objetivo de repor perdas nos salários dos militares maranhenses.


“Nós ingressamos na Justiça para que os inativos voltem a receber seus soldos e gratificações, que foram transformados em subsídios em abril de 2007”, afirmou o sargento Frota. Segundo ele, mediante mandado de segurança, em 2008 o Tribunal de Justiça mandou restabelecer o pagamento de soldos e gratificações para os inativos e pensionistas da Polícia Militar do Maranhão.


“Esta decisão da Justiça nunca foi cumprida pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Gestão e Previdência. O Tribunal de Justiça abriu vários prazos para o cumprimento da decisão e, por isto, decidimos ingressar com recurso junto ao Supremo Tribunal Federal, onde a relatora do processo, a ministra Carmen Lúcia, reconheceu também o direito dos aposentados e pensionistas da PM do Maranhão e determinou o cumprimento da decisão, proferida pelas Câmaras Cíveis Reunidas do Tribunal de Justiça do Estado, no julgamento de nosso mandado de segurança”, afirmou o major Adelman.


Segundo ele, no dia 10 de março passado saiu decisão da desembargadora Maria das Graças de Castro Duarte Mendes, relatora do processo, determinando o bloqueio dos orçamentos da Polícia Militar do Maranhão e da Secretaria de Gestão e Previdência, até que seja efetivado o cumprimento integral do Acórdão, sendo que nenhum pagamento poderá ocorrer, salvo a folha de salários dos funcionários e pensionistas.


Em seu despacho, a desembargadora Maria das Graças determina que seja oficiada a Procuradoria Geral de Justiça, com cópia integral dos autos, para oferecer, se quiser, ação penal contra o secretário de Estado da Gestão e Previdência.


A desembargadora determina a instauração de inquérito policial para investigar o crime praticado pelo secretário de Estado da Gestão e Previdência ou outro funcionário público que possa estar impedindo o cumprimento judicial do Acórdão.


“Expeça-se ofício com cópia integral dos autos ao Delegado Geral do Estado do Maranhão. Notifique-se o secretário de Planejamento do Estado do Maranhão, a quem deve cumprir a ordem do bloqueio, bem como o gerente do Banco do Brasil S/A, Agência Setor Público”, afirma a desembargadora em sua decisão.


Por fim, invocando o fundamento do Artigo 34, inciso VI da Constituição Federal, a desembargadora Maria das Graças determina que “oficiem-se, com cópia integral dos autos, o Presidente do Supremo Tribunal Federal e o procurador-geral da República, a fim de que promovam a intervenção federal no Estado do Maranhão, tendo em vista o descumprimento reiterado do Acórdão”.


O sargento Frota declarou que, ao longo destes anos que o processo tramita na Justiça, o secretário de Gestão e Previdência, Fábio Gondim, vem se recusando a cumprir a decisão judicial. “Foi isto que fez com que a desembargadora Maria das Graças, em um de seus despachos, aplicasse multa diária no valor de R$ 5 mil por militar reformado, e que já chegou ao montante de mais de R$ 140 milhões”, afirmou o sargento Frota.


Homem é morto e tem moto roubada no bairro Jóquei Clube

Um homem foi morto a tiros na Avenida Fernandes Távora, no bairro Jóquei Clube, durante a tarde desta segunda-feira (31). A motocicleta da vítima foi levada pelos suspeitos.

Segundo informações da Polícia Civil, a vítima identificada como Everton Bezerra de Nascimento, 20, estava com a motocicleta no local, quando foi abordado por um número não identificado de suspeitos. Ele foi baleado na cabeça e morreu no local. O veículo roubado foi abandonado nas proximidades.

O delegado Danilo Rafanelle, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), realizou os primeiros levantamentos no local junto da Perícia Forense. Ele informou que não é possível afirmar se o caso é um  latrocínio (roubo seguido de morte).

Mais três casos de homicídio foram registrados em Fortaleza durante a tarde desta segunda-feira (31), sendo um de execução, no bairro Couto Fernandes, e mais dois casos no bairro Panamericano e Santa Maria, em Messejana.

Viúvo não consegue liberação para cremação de mulher devido a falta de material na Perícia Forense

O empresário Leandro Becker aguarda a realização dos exames periciais do corpo da esposa, Regina Zimmer, falecida há mais de dois meses


PefoceA Perícia Forense do Estado do Ceará(Pefoce) passou cerca de três meses sem realizar o exame de alcoolemia, pois a seringa do aparelho cromatógrafo a gás estava danificada. Além disso, há falta de kit de reagente para a realização do exame de pesquisa de drogas em amostra de sangue. As informações foram confirmadas pelo perito-geral da unidade, Dr. Maximiano Leite.
As denúncias partiram do empresário Leandro Becker, 52 anos, que aguarda a realização dosexames periciais do corpo da esposa, Regina Zimmer, 46 anos, falecida no dia 23 de janeiro deste ano. "Ela deixou uma carta dizendo que gostaria de ser cremada. Mas para eu conseguir um  Alvará Judicial para liberar a cremação, o Ministério Público do Estado quer o resultado dos exames de toxicologia", explicou Leandro.
Segundo informações do perito-geral, o componente que estava faltando para o aparelho funcionar chegou na última sexta-feira (28) e o motivo da demora se deve ao fato de ser "importado dos Estados Unidos". A falta de kit reagente para a realização do exame de pesquisa de drogas em amostra de sangue também foi confirmada pelo Dr. Maximiano Leite, mas o perito disse que o material já foi providenciado. 
Leandro Becker, que aguarda há mais de dois meses para cremar o corpo de sua companheira, contou ainda que, em conversa com o médico legista da perícia forense do Ceará, "que o aparelho para realizar a alcoolemia não funciona desde outubro do ano passado e que eles não possuem kit reagente desde dezembro de 2013". 
Enquanto o exame não é realizado, o viúvo paga uma quantia de R$ 85 por dia para manter o corpo de Regina Becker em uma Câmara Conservadora em um cemitério no Eusébio, que enviou um ofício à Leandro, no último dia 27 de março, informando que o corpo deve ser retirado do local, pois "o estado do corpo já está bastante deteriorado pelo tempo do Óbito" e "não tem mais como suportar". Segundo Leandro, a empresa pediu a retirada até a próxima terça-feira (1).
Autoridades devem ser notificadas
A pedido do promotor de justiça do Eusébio, Dr. Hélio Ferraz, um ofício deverá ser encaminhado às autoridades, Secretário de Segurança Pública Governador do Estado, informando esta situação. "É lamentável. Nós entendemos a situação, a dor da família, mas quem deve agilizar o processo é a própria perícia forense enviando um ofício confirmando se o sangue da falecida foi coletado para a realização destes exames quando possível", afirmou o promotor. "Depois disso, nós podemos liberar o corpo para cremação", concluiu.
Pefoce diz que há material necessário para proceder triagem
A Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) informa que em resposta ao ofício nº 121/2014, da Comarca do Eusébio, do último dia 27 de março, enviou ao magistrado Henrique Botelho Romcy, nesta segunda-feira (31), a informação de que a amostra biológica de sangue, da senhora Regina Zimmer, foi colhida pela Coordenadoria de Medicina Legal (Comel). Havendo, desta forma, na Pefoce, o material necessário para proceder triagem de drogas em sangue e exame de alcoolemia.
No entanto, segundo o empresário Leandro Becker, a cremação ainda não foi liberada devido à necessidade do parecer favorácel do médico legista. Até a publicação desta matéria não houve resposta.
Quanto à falta de material para a realização dos exames toxicológicos, a assessoria de imprensa da Pefoce não conseguiu contatar a pessoa responsável até a publicação desta matéria. 

Prédio da Câmara Municipal de Choró é arrombado durante a madrugada


O prédio onde funciona a Câmara Municipal de Choró, no Sertão Central, foi invadido durante a madrugada desta segunda-feira (31).
A funcionária Antonia Edna Fernandes chegou para trabalhar quando encontrou o portão dos fundos arrombado.
No plenário da Casa, diversos moveis foram revirados. Os assaltantes levaram ainda microfones, caixa de som e destruiram as câmeras de monitoramento.
O presidente da Câmara, vereador Elcimar Ribeiro, comunicou o ocorrido à polícia e afirmou que essa não é a primeira vez que o local é invadido.


FONTE: CEARÁ NEWS 7

Saúde púbica negligenciada

Saúde e Segurança. Se se perguntar a qualquer brasileiro hoje qual são os setores que precisam de mais atenção por parte dos governantes, restam poucas dúvidas de que a respostas orbitaria entre essas duas instâncias. Um levantamento realizado pela organização não governamental Contas Abertas mostra que a preocupação não é a toa. Enquanto o governo federal destina R$ 1,9 bilhão ao programa Mais Médicos em 2014, apenas 11% das obras de infraestrutura para a saúde pública foram concluídas durante a segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que se refere aos anos de 2011 a 2014. Segundo dados do Conselho Federal de Medicina (CFM), das 24.006 iniciativas prometidas pelo programa, somente 2.547 foram entregues até dezembro de 2013. Pior: entre as restantes, pouco mais da metade sequer saiu do papel. Trata-se de dados preocupantes, principalmente quando nos deparamos com a infraestrutura precária das unidades de saúde no País.
Outros exemplos esclarecedores: no cronograma de obras do PAC 2, estavam previstas construção e reforma de 15.652 Unidades Básicas de Saúde (UBSs), mas apenas 9% foram concluídas após mais de dois anos. Além disso, foram finalizadas apenas 3% das 503 Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs), locais estruturados para atender a urgências e emergências, que deveriam ser construídas. Das 7.911 iniciativas de saneamento em áreas urbanas, 14% foram entregues até dezembro passado.
É preciso trazer esses números para que o conjunto da sociedade brasileira julgue por si mesmo as prioridades e a atenção que o governo vem dando para a saúde pública. É inconcebível que paguemos tantos impostos para receber serviços públicos absolutamente medíocres e muito aquém de nossas necessidades. Sem a tomada de consciência e a cobrança jamais sairemos dessa condição de precariedade que predomina nas unidades de saúde em todo o Brasil.

Golpe militar no Brasil completa 50 anos

Marcha da Família reivindicava liberdade<br /><b>Crédito: </b> CP MemóriaPassados 50 anos do Golpe de 1964, documentos e informações sobre um dos episódios mais importantes da história recente do país continuam a ser descobertos. E mais uma leva de seminários, debates, manifestações e eventos especiais característicos das chamadas datas redondas de um acontecimento histórico está em curso. A diferença é que, agora, o debate, dentro e fora da área acadêmica ou dos trabalhos da Comissão Nacional da Verdade, procura esmiuçar a participação da sociedade no golpe. E estabelecer diferenças entre o apoio ao golpe e àquele dado à manutenção do regime militar que se estendeu até os anos 1980.

“Estatisticamente, um número grande de pessoas apoiou o golpe, as prisões, a cassação de mandatos e a intervenção. A adesão à repressão política também era grande. É verdade que esse apoio não era assim tão sólido. Mas muita gente aderiu à ideia de que havia um risco político grave da parte de uma esquerda revolucionária comunista”, afirma o professor do Departamento de História da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Rodrigo Patto Sá Motta.

Autor de livros que tratam sobre o anticomunismo no Brasil, o golpe e a ditadura militar, Motta trabalha no momento com pesquisas de opinião feitas no país entre os anos de 1964 e 1965, que apontam para o apoio social à derrubada do então presidente João Goulart. Mesmo entre especialistas, porém, não há consenso sobre o apoio e participação massiva da sociedade.

“Prefiro dizer que o golpe foi empresarial militar com participação efetiva de uma parcela da sociedade. É importante começarmos a fazer uma caracterização mais profunda desta categoria chamada civil, um termo que, aliás, foi cunhado pelos militares. É sobre estes pontos que está centrado o debate atual sobre o golpe”, diz a coordenadora de Documentação do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getúlio Vargas, Martina Spohr. 

Com estudos a respeito do papel desempenhado pelo Instituto de Pesquisa e Estudos Sociais (Ipes) à época do movimento que tirou João Goulart da Presidência e sobre a rede de relações anticomunistas então existentes no país, Spohr questiona o peso dado a pesquisas de opinião e grandes eventos. "Pesquisas de opinião podem passar uma ideia falsa. Da mesma forma, dizer que um episódio como a Marcha da Família, que aconteceu em um momento de muito tensionamento, ilustra o apoio da sociedade, é reduzir o debate."

Influência americana ainda é dúvida

A análise sobre os atores e o momento político e social do golpe de 1964 e suas consequências está, admitem os próprios especialistas, ainda em seu início. A proximidade dos fatos (50 anos são quase nada em termos históricos), a série de fontes documentais ainda não consultadas ou abertas e as relações com o contexto internacional estão entre os fatores que vão prolongar o debate sobre o golpe.

No contexto interno, para quem examina documentos, a tomada do poder pela força parecia ser uma questão de tempo nas décadas que antecederam 1964, com os diferentes campos políticos à esquerda e à direita acusando-se mutuamente de tentativas de golpe.

O Brasil de 1964 tinha o que se chama de 'tradição republicana democrática' quase insipiente. Menos de três décadas antes, Getúlio Vargas mantivera o país sob ditadura por um período de sete anos. E, mesmo depois dela, havia voltado ao poder eleito pelo voto popular. Os militares, por sua vez, ocupavam papel central no jogo político desde que, 75 anos antes, haviam posto fim ao Império e instituído a República no que parte dos especialistas também aponta como um golpe.

Pesquisadores como Caio Navarro de Toledo e Argelina Cheibub Figueiredo chamam a atenção para o fato de que, no contexto interno, o confronto entre os grupos políticos concorrentes se tornou tão acirrado em 1964 a ponto de, para estes grupos, parecer impossível resolver a disputa dentro das regras do jogo democrático. Essa 'sensação' deu fôlego ao batido argumento de que para fortalecer a democracia era preciso romper as regras democráticas. Que, mais tarde, se transformou na tese do contragolpe preventivo.

No contexto externo, os estudos se concentram na participação direta ou indireta dos Estados Unidos nos acontecimentos da época e na influência de autoridades norte-americanas na preparação e na consolidação do regime militar. No período em que o mundo vivia a Guerra Fria, os países precisavam cerrar fileiras ao lado dos Estados Unidos ou da então União Soviética.

Para completar o quadro, também se multiplicam pesquisas sobre a diferenciação entre o apoio ao golpe e àquele dado à ditadura que se seguiu. "É preciso que se diga que a partir de 1968 muitos dos que haviam apoiado o golpe passaram a criticar o regime, mas que, em diversas situações, as críticas eram de viés econômico, e não em relação à repressão. Há diferenças que não podem ser agrupadas", alerta a historiadora Martina Spohr.

A violência como uma epidemia



E se a violência fosse compreendida como uma doença contagiosa e encarada como um problema de saúde pública? Para quem acha que os problemas de segurança pública só se resolvem com mais polícia na rua, essa ideia certamente é absurda. Para o médico epidemiologista americano Gary Slutkin, contudo, essa abordagem resultou em uma estratégia bem-sucedida de lidar com os tiroteios e mortes causados por confrontos entre gangues rivais nas áreas mais violentas da cidade de Chicago.

O programa, conhecido como Cura Violência (cureviolence.org), encara o crime violento como uma “epidemia” que pode ser transmitida de pessoa-a-pessoa de forma contagiosa. A inspiração de Slutkin, como explica em vídeo para uma plateia do Ted Talk, veio de sua própria experiência com doenças contagiosas em Uganda. Segundo o médico, as formas de manifestação das duas “epidemias” são bastante parecidas quando vistas por meio de gráficos. Os casos vêm sob a forma de ondas e se concentram em pontos específicos.

Um dos meios adotados pelo Cura Violência para interromper a propagação da epidemia do conflito violento é a intervenção de agentes conhecidos como “interruptores”, lideranças locais com ascendência na comunidade e que, por essa razão, conseguem se fazer ouvidos.

Os “interruptores” tentam convencer possíveis agressores a não resolver seus conflitos por meio do uso de armas de fogo, bem como amigos e familiares das vítimas a não revidar da mesma forma. Não há vínculo dos agentes com a Polícia. O passo seguinte é encorajar uma mudança de comportamento que supere o recurso intensivo à violência. Daí o porquê de “cura” no título do programa.

A iniciativa foi avaliada pelo Departamento de Justiça americano em 2008. Das sete áreas pesquisadas, cinco apresentaram uma expressiva queda no índice de assassinatos. A estratégia adotada em Chicago foi matéria de jornais, revistas e acabou sendo retratada em um documentário, The Interrupters, de 2011. O filme mostra o cotidiano de três “interruptores”. Por causa de toda essa repercussão, o programa está sendo replicado em outras cidades americanas e, até mesmo, fora dos Estados Unidos. Novas avaliações permitirão saber se a estratégia é eficaz em contextos socioculturais diferentes.

Embora a proposta de encarar o crime violento como uma epidemia pareça, à primeira vista, uma visão naturalista do crime, ela traz como mérito o engajamento da própria comunidade na busca por soluções. Além disso, compreende o assassinato como um nó relevante em uma rede de relações sociais e não apenas como um fenômeno isolado.

O Cura Violência não pode ser pensado como um modelo que dê respostas a todos os problemas da segurança pública, mas como uma ação complementar. Não há informações mais consolidadas, por exemplo, sobre o seu impacto contra os latrocínios (roubo seguido de morte). Seu maior mérito é o de propor um novo olhar sobre a estratégia de combate aos homicídios: em vez da repressão pura e simples, diagnóstico, prevenção e mudança de comportamento.

"Embora a proposta de encarar o crime violento como uma epidemia pareça, à primeira vista, uma visão naturalista do crime, ela traz como mérito o engajamento da própria comunidade na busca por soluções"


domingo, 30 de março de 2014

Confira o Plano de Carreira dos Praças do Mato Grosso




PLANO DE CARREIRA dos Praças MT aprovado no dia 26/03/2014 na ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA-MT

Síntese:

As entidades representativas de classe (ACS e Assoade) depois de finalizado o Plano de Carreira dos Policiais e Bombeiros Militares em conjunto com o Comando das Instituições Militares Estaduais (PMMT e CBMMT) e o Secretário-Chefe da Casa Militar, informa que as principais mudanças com o novo plano de carreira remetido a Assembléia Legislativa de Mato Grosso são as seguintes:
PRINCIPAIS AVANÇOS/MUDANÇAS:

A) - Nível Superior para o ingresso como PRAÇAS na PMMT e CBMMT, em vigor a partir da publicação da nova Lei;


B) - Promoção automática gradual e sucessiva, ou seja, apenas por antiguidade do Soldado até o Subtenente, PODENDO ainda ser promovido ao posto de 2º Tenente no ato de sua transferência para a reserva, desde que tenha o interstício de 02 anos como Subtenente;


C) - Unificação de TODOS os QUADROS DE PRAÇAS, somando todas as vagas de praças em apenas um quadro e ainda com aumento significativo do número de vagas no novo Quadro de Praças Único, conforme a seguir:
PMMT:
-Cabos e Soldados: 7.755 vagas;
-Sargentos (3º, 2º e 1º): 3.049 vagas;
-Subtenente: 360 vagas
CBMMT:
-Cabos e Soldados: 2.041 vagas;
-Sargentos (3º, 2º e 1º): 1.350 vagas;
-Subtenente: 140 vagas

D) – Promoção aos Soldados que ingressaram a partir de 2005 – Terão Progressão na Carreira com a aprovação do novo Plano de Carreira.

E) – Conversão do Decreto de promoção de Praças em LEI DE PROMOÇÃO DE OFICIAIS E PRAÇAS – com o novo Plano de Carreira.

F) – Criação do Quadro Complementar de Oficiais somente para o público interno , com exigência de nível superior para ingresso e ofertas de vagas anuais da seguinte forma:
PMMT: - 40 vagas anuais, sendo 20 para 1º sargento e subtenentes e as outras 20 para todas as demais praças;
CBMMT: - 12 vagas anuais, sendo 6 para os 1º sargento e subtenentes e as outras 6 para todos os demais praças;

G) INTERSTÍCIOS:
Soldado para Cabo: reduziu de 12 para 9 anos;
Cabo para 3º Sargento: 4 anos;
3º Sargento p/ 2º Sargento: 4 anos;
2º Sargento p/ 1º Sargento: 3 anos;
1º Sargento p/ Subtenente: 3 anos.
Subtenente para 2º TENENTE: 2 anos (promoção ao posto imediato a ser realizada no ato da transferência do subtenente para a reserva remunerada).

H) LIMITE DE VAGAS POR DATA DE PROMOÇÃO
PMMT:
* Promoção por antiguidade:
- Soldados para Cabo: 300 soldados por data de promoção (total de 900 por ano);
- Cabos para 3º sargento: 183 Cabos por data de promoção (total de 549 por ano);
* Promoção por Mérito Intelectual à Graduação de 3º Sargento:
- Seleção interna anual para promoção a graduação de 3º SARGENTO onde concorrerão os soldados e cabos com ESTABILIDADE (40 vagas por ano).
* Demais Promoções sem limite de vagas.
CBMMT:
* Promoção por antiguidade:
- Soldados para Cabo: 100 soldados por data de promoção (total de 200 por ano);
- Cabos para 3º sargento: 90 Cabos por data de promoção (total de 180 por ano);
* Promoção por Mérito Intelectual a Graduação de 3º Sargento:
- Seleção interna anual para promoção a graduação de 3º SARGENTO onde concorrerão os soldados e cabos com ESTABILIDADE (13 vagas por ano).
* Demais Promoções sem limite de vagas.

I) - Criação da Promoção ao POSTO /GRADUAÇÃO imediata para a promoção de qualquer Oficial ou praças no ATO da sua transferência para a Reserva Remunerada, devendo o militar preencher os seguintes requisitos:
- Interstício no atual posto ou graduação;
- Possuir 25 anos ou mais de efetivo serviço na Corporação;
- Possuir 30 anos de contribuição (incluindo averbações).

A novidade nesta promoção é que além de ser destinada aos oficiais e praças no momento de sua transferência para a reserva, também será aplicada ao Subtenente, que é a ultima graduação das Praças.

Nesse caso, o Subtenente será promovido ao posto de 2º Tenente no ato de sua transferência para a reserva remunerada, desde que possua também o interstício de 02 ANOS na graduação subtenente (esse tempo foi reduzido para 02 anos no dia de ontem 25/03/2014, pois inicialmente estava previsto de 03 anos), interstício este criado apenas para efeito desta promoção por requerimento.

Com esta conquista, o novo plano de carreira dos praças que já previa a possibilidade de promoção automática do soldado até o subtenente, agora passa a permitir também a possibilidade de qualquer praça galgar o posto de Segundo Tenente, isso também de forma automática sem realizar concurso interno, bastando apenas cumprir os interstícios e requisitos acima descritos.

Isso será possível porque, as promoções dos praças na Policia Militar e Corpo de Bombeiros Militar, com o novo plano de carreira passarão a ser de forma gradual e sucessiva, dependendo apenas de cumprir os interstícios para a ascensão a graduação superior, tendo em vista que os cursos de formação serão substituídos por estágios que terão seu ingresso também de forma automática por ordem de antiguidade.

Enviado por Ezequiel Dias










ARMAS que só podem ser disparadas pelos proprietários. Tecnologia importante.




O engenheiro Omer Kiyani foi baleado por acidente quando criança, e ainda luta com o trauma, e fez disso um dos incentivos para estudar a construção de um mecanismo de segurança para armas de fogo. Ele batizou o mecanismo de identilock, e ainda precisa de alguns ajustes finais para lançar o equipamento. Ele acredita que a arma poderá chegar ao varejo pelo valor de 3 mil dólares. O engenheiro teve uma ideia aparentemente trivial, mas tremendamente eficaz para evitar disparos acidentais feitos por crianças ou pessoas que mexem nas armas por curiosidade.

Nas mãos do proprietário a arma demora menos de um segundo para estar ativada.





Omer não foi o primeiro a inventar a arma inteligente, o mercado está crescendo rápido. Em fevereiro passado uma arma inteligente foi lançada nos EUA pela empresa Armatix. É a pistola iP1, calíbre .22, que combina um chip de identificação na arma com um relógio transmissor. A arma só dispara quando usada pela pessoa que também usa o relógio.















Se a pistola iP1 for roubada ela nunca vai disparar, a não ser que o relógio transmissor também seja levado.

FONTE: REVISTA SOCIEDADE MILITAR






PEC 300: Pauta destrancada abre espaço para se votar 'projetos-bomba' na Câmara


FOTO ILUSTRATIVA

Base e oposição apoiam textos que aumentam gastos e ajudam trabalhador. 


Governo ameaça obstruir votações e paralisar esforço para votar propostas. 

Após cinco meses de pauta trancada por projetos com urgência constitucional, a Câmara dos Deputados está perto de liberar as votações em plenário e poderá iniciar a análise de propostas que geram mais despesas para o governo federal. Líderes de partidos da base aliada e da oposição ouvidos pelo G1 disseram que vão pressionar pela votação de pisos salariais para agentes de saúde, policiais e bombeiros.

A análise dessas matérias será possível a partir desta terça (1º), quando será votado o último projeto que tranca a pauta. O texto reabre o prazo para adesão das instituições de ensino ao Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento das Instituições de Ensino Superior, do Ministério da Educação.

Vice-líder do PMDB, o deputado Danilo Forte (CE), afirmou que a bancada defende colocar, em seguida, em votação a proposta que estabelece piso salarial para agentes comunitários de saúde. "A nossa bancada tem 12 médicos, então a questão da saúde é importante para nós. Vamos, com certeza, apoiar essa proposta", disse.

Pelo projeto, o piso salarial seria de R$ 950 em 2014, R$ 1.012 em 2014 e reajustes conforme a inflação a partir de 2015. Atualmente não há um mínimo salarial, mas o governo federal repassa por meio de portaria R$ 950 por mês aos municípios para cada agente comunitário.

Preocupado com a pressão pela análise de textos que geram despesas, o líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), advertiu que poderá obstruir as votações em plenário, o que deve paralisar os últimos esforços da Casa em aprovar projetos antes da campanha para as eleições de outubro. "Os mecanismos de obstrução são múltiplos e variados. Qualquer exagero paralisa a Câmara", declarou Chinaglia.

O petista disse acreditar que o ideal neste momento seja dialogar para propor uma pauta de comum acordo. "Qualquer um pode propor qualquer pauta, não questionamos. O que vamos fazer junto a líderes da base e oposição é tentar definir uma pauta importante para o país, de comum acordo", declarou.

Líder do Solidariedade, o deputado Fernando Francischini (SDD-PR), disse que não abrirá mão de votar projetos que beneficiam os trabalhadores, ainda que eles possam gerar polêmica.
Além da proposta referente aos agentes comunitários, o partido irá defender a votação de piso nacional para policiais e bombeiros, e o texto que altera o cálculo do fator previdenciário- fórmula criada em 1999 para reduzir o valor do benefício de quem se aposenta por tempo de contribuição antes de atingir 65 anos, no caso de homens, ou 60, no caso das mulheres.

O projeto em tramitação na Câmara prevê que, para obter aposentadoria com 100% do valor do benefício, a soma do tempo de contribuição e da idade do trabalhador deve totalizar o número 85 para mulheres e 95 para os homens.

"O governo não está conseguindo cuidar nem dele mesmo, que dirá retirar pautas positivas para os deputados. Ele está mais preocupado em segurar a CPI da Petrobras, não vai assumir mais esse desgaste. O governo agora vai travar tudo? Tudo que não é de interesse deles é pauta-bomba? Pauta-bomba são os valores que sumiram da Petrobras", provocou o deputado. 

O  líder do PSDB, Antônio Imbassahy (BA), afirmou que a bancada dará prioridade à aprovação do piso salarial para agentes de saúde. "O PT pode obstruir, mas vamos trabalhar para aprovar. Essa questão dos agentes é unanimidade na bancada. Eu conheço bem a importância do trabalho dessa categoria e eles chegaram num limite bem razoável de negociação", disse.

Por sua vez, o líder do DEM, Mendonça Filho (PE), quer incluir na pauta outro texto que desagrada ao Planalto - o que prevê o fim da multa adicional de 10% sobre o FGTS que o empregador paga à União pela demissão sem justa causa de trabalhadores. O Congresso aprovou texto semelhante no ano passado, mas a presidente Dilma Rousseff vetou a proposta. Os deputados agora querem, novamente, aprovar a matéria.


"Queremos eliminar essa multa adicional do FGTS porque ela prejudica as empresas. A PEC 300 (que prevê piso salarial para bombeiros e policiais) também é importante. O governo vai resistir, vai resistir muito. Estou com a expectativa de que haja obstrução" disse o deputado do DEM.

Para o líder do PPS, Rubens Bueno (RS), votar o projeto dos agentes comunitários é um “compromisso público da Câmara e do presidente da Casa desde o ano passado”. “Por que não querem atender agentes comunitários, que são quase 400 mil prestando serviço comunitário, ‘na ponta’. O governo não quer atender isso. É interesse do povo mais simples”, declarou.

No final de 2013, o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), chegou a anunciar em plenário diante de grupo de agentes comunitários uma data para a apreciação da matéria. No entanto, a matéria não pode mais ser votada devido ao trancamento de pauta pelo projeto do Marco Civil da Internet.


FONTE: G1 POLÍTICA






Torcedor é baleado próximo ao Castelão

Um torcedor foi baleado próximo ao estádio Castelão no início da tarde deste domingo (30). A vítima sofreu um tiro de pistola na perna e foi socorrida por policiais militares.
 
Minutos após o crime, policiais do Raio encontraram abandonada uma pistola 765, que teria sido usada para efetuar os disparos contra o torcedor. Até o momento ninguém foi preso
 

TJDF determina afastamento de diretores da Caixa Beneficente da PM



Uma liminar do Tribunal de Justiça doDistrito Federal determinou o afastamento de todos os membros da direção da Caixa Beneficiente da Polícia Militar (Cabe) por indícios de desvio de verbas. A decisão foi publicada no Diário Oficial da sexta-feira (28). Cabe recurso.

A Cabe, que funciona no Setor Policial Sul, informou que nenhum diretor da entidade foi afastado e que só vai se pronunciar quando for notificada. Em nota, a PM disse que a Cabe é uma entidade jurídica particular e de caráter beneficente, sem fins lucrativos, tem estatuto próprio e que desde 2012 é administrada por um conselho deliberativo.

A Caixa da PM tem um patrimônio de R$ 200 milhões que pertence a todos os 20 mil policiais associados. A instituição é responsável pela previdência complementar dos policiais militares.

De acordo com a ordem judicial, todos os integrantes do conselho deliberativo e o diretor-executivo da Cabe devem ser afastados da instituição. Eles foram denunciados pelo Ministério Público.

Ainda segundo a decisão, dois interventores serão nomeados pelo MP para ocupar o lugar dos dirigentes. Além do afastamento dos gestores da entidade, o desembargador Waldir Leôncio Lopes Júnior determinou a quebra dos sigilos fiscais e bancários dos envolvidos no processo.

O Ministério Público havia pedido ainda a suspensão dos contratos firmados entre a Cabe e a Recup - empresa de consultoria e assessoria empresarial que entre outros serviços, gerencia recursos financeiros. O TJ não aceitou o pedido.


FONTE: G1 DF

Casal é executado com 15 tiros de pistola na cidade de Senador Pompeu

  5_plantao_policialaaa

A cidade de Senador Pompeu, no Sertão Central cearense, vive em estado de violência. Nos últimos meses vários homicídios foram consumados, deixando o município na liderança de crime contra a vida na região, ultrapassando inclusive Quixadá.


Na noite deste sábado, 29, no bairro Pantanal, ocorreu um duplo homicídio mediante o emprego de arma de fogo. Um deficiente físico e um jovem de 24 anos foram alvejados com 15 tiros. Dois homens foram detidos para iniciar as investigações por parte da Polícia Civil do município.


De acordo com a Delegacia de Senador Pompeu foram assassinados José Luciano da Silva Almeida, 39 anos, natural de Mombaça, atingido com aproximadamente 10 tiros, na região do tórax; e Maria Luzirene Soares Pereira, 24 anos, executada com com 05 tiros. O inspetor Luciano acredita que o crime foi em virtude de acertos de contas e que os acusados estão sendo interrogados.


FONTE: REVISTA CENTRAL

Ocupação no Complexo da Maré é concluída em apenas 15 minutos




As forças de segurança ocuparam o Complexo da Maré na manhã deste domingo, por volta das 5h. De acordo com a Secretaria de Segurança do Rio, a ocupação foi concluída em apenas 15 minutos. Apesar de não ter havido confronto, forças policias seguem na comunidade realizando operações em busca de criminosos e apreensões de armas, drogas e objetos roubados.
Agentes da Polícia Federal encontraram uma grande quantidade de maconha, um fuzil desmontando e um submetralhadora escondidos dentro de um buraco na Vila Olímpica da Maré. Dois suspeitos já foram presos.

No momento, policias da Coordenadoria de Inteligência estão entrando nas casas dos moradores e revistando. A justiça autorizou a polícia a realizar buscas em todas as casas das favelas Nova Holanda e Parque União. Helicópteros da Polícia Militar estão sobrevoando e dando rasantes pela comunidade.

Helicópteros da PM estão dando rasantes pela comunidade
Helicópteros da PM estão dando rasantes pela comunidade Foto: Roberto Moreyra / Agência O Globo

Por volta das 8h, o comércio local funcionava normalmente. Na Rua Sargento Silva Nunes, uma moradora, que não quis se identificar, aprovou a operação:
— Estou adorando! Adorando!
A Secretaria de Segurança ressalta que todos os moradores devem andar com documentos de identificação. No caso dos motoristas e motociclistas, é necessário mostrar os documentos de propriedade de seus veículos, assim como a Carteira Nacional de Habilitação em dia. Também é exigido o uso de capacete para quem utiliza moto.
Além disso, a secretaria solicita a colaboração dos moradores das comunidades do Complexo da Maré com denúncias sobre criminosos, esconderijos e locais onde possam estar guardadas armas, drogas, objetos roubados e outros produtos ilegais. Os moradores podem ligar para o Disque-Denúncia (2253-1177) ou para o 190 da PM



FONTE: JORNAL EXTRA





Violência no Ceará: mais homicídios que soldados mortos na Guerra do Iraque


Em sete anos e três meses houve 20.740 homicídios, contra 21.428 soldados mortos em oito anos e nove meses. Na média anual, criminalidade cearense supera horror da guerra

Invasões, tiros de metralhadora, explosões e pessoas morrendo como moscas. Um cenário de guerra. E de guerra urbana também. O número de homicídios registrados no Ceará nos últimos sete anos e três meses, durante a gestão do governador Cid Gomes (Pros), pode ser comparado ao de militares mortos em combate na última Guerra do Iraque.


O Tribuna do Ceará fez um levantamento e constatou que, de janeiro de 2007 a março de 2014, foram registrados 20.740 homicídios no Estado (sendo 2.860 por ano). A estatística praticamente se iguala ao número de soldados mortos durante os oito anos e nove meses de guerra no Iraque, de todas as nações em combate, com 21.428 (sendo 2.448 por ano).




(Arte: Tiago Leite)


A Guerra do Iraque iniciou em março de 2003 e foi encerrada em 15 de dezembro de 2011. Durante o período de conflito, foi reportado que 4.805 combatentes da coalizão ocidental foram mortos, incluindo 4.487 americanos, 179 britânicos e 139 militares de pelo menos 22 outros países. Das forças de segurança iraquiana, foram 16.623 mortes.


Enquanto isso, nos últimos sete anos, que coincide com o governo Cid Gomes, o Ceará – ressalte-se: sem guerra – teve 20.740 vidas interrompidas por causa da criminalidade. Conforme dados colhidos no Mapa da Violência e na Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), o número de homicídios (incluindo lesões seguidas de morte e latrocínios) no Estado só aumenta. Enquanto em 2007 foram contabilizados 1.936 crimes de morte, em 2013 o número subiu 130%, com 4.462 homicídios. Nesse último, pode-se dizer que foi registrado um homicídio a cada duas horas.


Para o sociólogo Márcio Renato, como medida de prevenção, o Estado precisa valorizar a vida antes de combater o crime. Caso contrário, o Ceará entrará mais adiante nesse abismo, onde o medo prevalece, e sugere mudanças: “Desmilitarizar a polícia, discutir a descriminalização das drogas e repensar em políticas que batam de frente com a desigualdade social devem ser metas urgentes por parte do Estado”, pontua.


Epidemia


Em Fortaleza, houve crescimento de 18,4% na quantidade de assassinatos, comparando 2012 e 2013. Apenas no ano passado, a capital cearense registrou 2.017 casos, respondendo sozinha por 45,2% do total de mortes violentas no Estado.


> LEIA MAIS




Cearense faz piada com tudo, até no momento de dor. Essa é uma imagem que circulou em redes sociais nos últimos dias entre fortalezenses (Foto: Fanpage Fortaleza Apavorada)


A cidade foi considerada a 13ª mais violenta do mundo em 2013. No ano seguinte, já pulou para a 7ª colocação. E os números oficiais da SSPDS comprovam: somente em 2014, a cada dia, 9,8 pessoas são mortas em Fortaleza.


Segundo relatório da ONG mexicana Conselho Cidadão para a Segurança Pública e Justiça Penal, Fortaleza tem uma taxa de 79.42 homicídios a cada 100 mil habitantes, com 2.754 homicídios registrados em 2013. Essa taxa é a 2ª maior do mundo, inferior apenas a Caracas, capital da Venezuela.


sábado, 29 de março de 2014

Ceará tem menos da metade do número de policiais militares necessário


Enquanto o estado precisaria de 35 mil policiais militares, segundo recomendação da ONU, existem apenas 16 mil. Isso, na avaliação de fórum da OAB, contribui para a insegurança

O Ceará possui 16 mil policiais militares, mas precisaria de 35 mil. A constatação preocupante é da Ordem dos Advogados do Brasil no Ceará (OAB), que abriu um fórum de debates e propostas, diante da criminalidade que assola o estado, sobretudo a capital.

O fórum resultou num documento que atesta ainda o déficit de policiais civis (1.924), de defensores públicos (290), de promotores de justiça (144) e de juízes (106) no Ceará. As discussões contaram com membros das associações de todas essas categorias.

Segundo exigência da Organização das Nações Unidas (ONU), é indicado haver um policial para cada 250 habitantes. No Ceará, com 8,4 milhões de habitantes, a proporção é de um para cada 525 pessoas. Isso, na visão do fórum, contribui para a insegurança.

Nesta sexta-feira (29), o Tribuna do Ceará mostrou que, em sete anos e três meses, gestão do governador Cid Gomes, houve 20.740 homicídios no Estado (2.860 por ano). A estatística praticamente se iguala ao número de soldados mortos durante os oito anos e nove meses da Guerra do Iraque, com 21.428 (sendo 2.448 por ano).

O Governo não comentou os números, nem o documento divulgado pela OAB. O secretário de Saúde do Estado, Ciro Gomes, irmão de Cid, declarou que os críticos da violência são financiados por um esquema de corrupção, que segundo ele, estaria instalado na prefeitura de Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza.

O ex-prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa (PR), aliado do atual gestor do município e adversário político da família Ferreira Gomes, rebateu as acusações de Ciro Gomes. “Isso é chamar o povo de ignorante”, reagiu.

O Fórum Permanente de Debates e Propostas contra a Violência é permanente, sendo realizado sempre às 11h30min das segundas-feiras, na OAB, na rua Lívio Barreto, 668, Dionísio Torres, em Fortaleza. Quem tiver interesse pode participar e levar sugestões.

15 propostas apresentadas no documento: 


Criação de Secretarias de Segurança Pública Municipal em cidades com mais de 30 mil habitantes. 

Resolver o déficit de policiais civis e militares. 

Aumento salarial de policiais civis e militares. 

Realizar concursos públicos para a Defensoria Pública, Ministério Público e magistrados. 

Alertar a magistratura acerca da aplicação do artigo 319 do Código de Processo Penal, que concebeu medidas cautelares alternativas à medida segregadora. 

Remanejar de forma imediata todos os presos que estão em delegacias, para que os policiais civis voltem às suas funções de investigação. 

Melhorar a comunicação entre as polícias Civil e Militar. 

Aproximar a segurança pública de laboratórios de universidades, de forma que dados estatísticos possam ser usados para soluções. 

Valorizar profissionalmente a Polícia Civil. 

Valorizar profissionalmente a Polícia Militar. 

Maior agilidade do judiciário e do Ministério Público na apreciação e deferimento de medidas cautelares requeridas pela Polícia. 

Aproximar as polícias Civil e Militar de conselhos comunitários. 

Elaborar uma cartografia da criminalidade no Ceará, para facilitar políticas públicas de prevenção e repressão. 

Investimento no Departamento de Inteligência Policial. 

Investigação do Ministério Público sobre ações criminosas que atuam em intercâmbio interestadual e internacional.



Em Quixadá Filho de comerciante morre após ser baleado na porta de mercantil



O jovem Joseli Alves Nogueira Júnior, 21 anos, morreu no início da noite desta sexta-feira, 28, após ser alvejado por disparos de arma de fogo, no Centro de Quixadá. Segundo a Polícia, a vítima estava sentada na porta do mercantil de seu pai quando foi surpreendida por dois homens numa motocicleta. O garupeiro efetuou cinco disparos a queima-roupa. Júnior foi atingido por quatro tiros; um deles, o mais grave, atingiu a cabeça.


O crime ocorreu por volta das 17 horas, na rua Epitácio Pessoa, uma das mais movimentadas ruas da área comercial de Quixadá. A vítima ainda foi socorrida ao Hospital Municipal Eudásio Barroso. A equipe médica plantonista ainda tentou conter a hemorragia cerebral, mas Júnior não resistiu aos ferimentos e morreu cerca de duas horas depois, quando era transferido para o Instituto José Frota (IJF), em Fortaleza.


À frente das investigações preliminares, o delegado Salviano de Pádua, plantonista da Delegacia Regional da Polícia Civil, em Quixadá, encaminhou ao Núcleo de Perícia Forense (Pefoce) de Quixeramobim, um suspeito detido pela Polícia Militar, para realização de exame residuográfico, para comprovação de uso de arma de fogo. Ele tem as mesmas características de um dos criminosos.


Sindpolf Polícia Federal SP homenageia Rachel Sheherazade como a melhor jornalista do Brasil

Polícia Federal homenageia Rachel Sheherazade como a melhor jornalista do Brasil




SINDIPOLF/SP - Durante almoço realizado no Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) nesta quinta-feira (27), a jornalista Evangélica Rachel Sheherazade foi homenageada pelo SINDPOLF/SP e pela Fenapef. Ela recebeu das mãos do presidente Alexandre Santana Sally, também diretor parlamentar da Federação, flores e uma placa dourada de agradecimento por suas opiniões em defesa da Segurança Pública brasileira.


O encontro teve um clima bem descontraído e contou também com as presenças do vice-presidente do SINDPOLF/SP, Achilles José Larena, do diretor social, Carlos Eduardo Direito, do coordenador jurídico, Luis Gralho e da assessora de comunicação do SBT, Maisa Alves.



Não faltou assunto. As conversas giraram em torno do jornalismo, do trabalho desenvolvido pela Polícia Federal brasileira, das Propostas de Emendas à Constituição (PECs) 51, 361, 73, além da questão das terceirizações.


“Foi uma grata surpresa essa homenagem da Polícia Federal. Fiquei mesmo comovida porque sempre nutri grande admiração e respeito pela PF, uma das instituições mais sérias e sólidas de nossa jovem democracia. Merece todo meu aplauso e reconhecimento”, comentou a apresentadora Sheherazade.


“Foi extremamente gratificante conhecer a jornalista Rachel Sheherazade e externar o reconhecimento de todos os Policiais Federais do Brasil (agentes, escrivães e papiloscopistas) à coragem, determinação, garra e liberdade de expressão e opinião, demonstrando conhecimento profundo da Segurança Pública. Encontrar alguém como ela, que defenda as justas atuações policiais é difícil, pois na maioria das vezes a Polícia, em geral, é marginalizada”, afirmou Sally.


A homenagem foi um pedido de diversos policiais federais (agentes, escrivães e papiloscopistas) ao Sindicato e também à Federação, pelo profissionalismo da jornalista no trabalho desenvolvido frente ao jornal do SBT e principalmente por suas opiniões em prol de uma sociedade que busca segurança e justiça. Esse posicionamento fez com que conquistasse uma legião de fãs em todo o país e também o respeito da categoria policial.


Jovem mata amiga que divulgou sua foto nua no Facebook

Erandy Gutierrez, à esquerda e a amiga Anel Báez, à direita Foto: Facebook


Erandy Gutierrez, à esquerda e a amiga Anel Báez, à direita

Foto: Facebook



Uma jovem de 16 anos foi encontrada morta em seu quarto após ter sido esfaqueada por sua melhor amiga, na Cidade do México. O crime foi cometido porque a vítima, Anel Báez, postou uma foto da colega Erandy Elizabeth, nua, no Facebook.



A acusada já tinha ameaçado Báez pelo Twitter. "Posso parecer muito calma, mas na minha cabeça, já te matei três vezes” e “vou te enterrar até o final deste ano”, escreveu Elizabeth em sua conta no microblog.






Amigas em comum das duas garotas declararam à Justiça que já havia um tempo que as jovens não se davam muito bem e que, na quarta-feira, 19, Elizabeth foi até a casa de Báez depois de saber que a adolescente estava sozinha na residência. Segundo o testemunho das garotas, Elizabeth pediu para ir ao banheiro e foi até a cozinha pegar uma faca. Em seguida, matou Báez com 65 punhaladas.



A menina foi levada pela polícia logo depois do funeral de Báez, e, em sua declaração, garantiu que vingança tinha sido o principal motivo do homicídio.



Em outubro de 2012, Anel tinha postado uma foto sua com Elizabeth em sua página noFacebook. Junto da imagem ela havia escrito que "amava a amiga".


FONTE: PORTALTERRA

Violência: O “câncer” se generalizou

 
 IMAGEM GOOGLE

"Sempre que ocorre crime fora das regiões periféricas de Fortaleza, a imprensa se mostra surpreendida e faz questão de realçar que o fato aconteceu "em área nobre da cidade", como se área nobre fosse sinônimo de intocabilidade e que a violência só se dá em locais onde vivem as pessoas mais necessitadas. Já é hora de ficarem sabendo que a onda de criminalidade atinge a todos, sem distinção de classe". Pois é, e nem assim dão jeito nela.

Colisões e consertos param mais da metade dos carros da PM em Sobral


O policiamento de Sobral, na Zona Norte do Ceará, está prejudicado pela falta de veículos do Ronda do Quarteirão em circulação. As pick-ups estão totalmente danificadas ou em manutenção. No total, a cidade tem 21 carros da Polícia Militar, 15 deles do Ronda do Quarteirão. Mais da metade dos veículos estão sem condições de circular ou em oficinas para manutenção.
Em uma única oficina particular de Sobral estão cinco carros do Ronda do Quarteirão, outros três estão quebrados no pátio do 3º Batalhão da Polícia Militar. O 3º Batalhão virou um “depósito” de carros sucateados. Além dos veículos do Ronda do Quarteirão, carros de outros agrupamentos policiais se encontram no local.


Por conta do número reduzido de veículos em circulação, os policiais se deslocam a pé até os bairros mais distantes de Sobral, o que tem prejudicado o policiamento na cidade. “No começo estava tudo bem. Agora a gente não vê nenhuma [viatura], nenhuma mesmo”, diz Aparecida Carlos, moradora de Sobral.
O comandante de policiamento da cidade, Sidney Moraes, reconhece o problema. “Após um período de dois meses, mais ou menos, de dificuldade, a maioria das viaturas baixadas [fora de circulação], que se sombra de dúvida implicou no trabalho de policiamento ostensivo na cidade, hoje nós já temos um alento. Já temos mais viaturas rodando porque as viaturas já estão recuperadas. A nossa esperança é de que após essas viaturas todas estarem rodando com o policiamento recomposto nós teremos uma condição melhor de atender a segurança em Sobral”, diz Sidney Moraes.

Sindicato dos policiais civis faz ato na Delegacia da Mulher, em Fortaleza

Delegacia é a terceira a receber ato de policiais civis.
Sindicato protesta contra a falta de pessoal, estrutura inadequada

 

Policiais civis fazem ato em frente à delegacia da Mulher na manhã deste sábado (29), na Rua Manuelito Moreira, no Bairro Benfica. Segundo o Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Estado do Ceará (Sinpol-CE), o atendimento na unidade será mantido.
A delegacia foi escolhida após divulgação de levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), órgão do governo, mostrando que 58,5% dos entrevistados acham que o comportamento feminino influencia no estupro. “O Sinpol-CE é contra este tipo de opinião, onde a sociedade transforma a vítima em culpada”, afirma o presidente do Sindicato, Gustavo Simplício. Segundo dados do sindicato, em 2013, foram registrados 1.832 casos de estupros no Ceará. A operação denominada Heredia faz referência ao sobrenome do colombiano Marco Antônio Heredia que em 1983 tentou matar a esposa, Maria da Penha, com um tiro enquanto ela dormia.


O sindicato protesta contra a falta de pessoal, estrutura inadequada e pelo fato de que a unidade é a única de atendimento especializado à mulher na capital. "A delegacia não funciona nos feriados e, nos fins de semana, atende com policiais que fazem serviço extraordinário, recebendo R$ 6,7 por hora e atrasados, a cada três meses'', diz o presidente do Sinpol-CE.
O protesto faz parte do movimento Polícia Legal e, segundo sindicato, pretende alertar a sociedade para os problemas enfrentados pela Polícia civil. As ações foram definidas pela categoria em assembleia no dia 17 de março. A delegacia da Mulher é a terceira a receber o ato. A primeira, no dia 20 de março, foi na delegacia de Capturas, no Centro. A operação denominada Barriga de Aluguel fez referência aos presos que são mantidos em delegacias. A segunda ação, chamada Elefante Branco, foi realizada no dia 23 de março, na Divisão de Homicídios, no bairro de Fátima, como forma de alertar para o problema da falta de investigação.

FONTE: G1 CE